Arquivo | julho, 2012

Top 5: “Eu não sou rata da moda”

29 jul

Tem gente que adora seguir modinhas. Eu adoro coisas diferentes! O que não significa que não use nada que esta na moda. Por exemplo, slippers: fui resistente no início, achava feinho demais, até o dia que me deparei com um cheio de strass hello Michale Jackson e não resisti. Comprei e uso bem, fica lindo com a maior parte das opções (calça, saia, mas lisas, sem estampas).

Quando eu faço uma compra eu procuro pensar se posso usar no trabalho, afinal, eu me visto 5 dias na semana pra isso e só 2 para diversão. Mesmo tendo day off na 6ª feira, não posso usar qualquer coisa no trabalho, que é bem formal. É muito difícil se abster de tudo que esfregam na sua frente, e isso ocorre muito quando

Eu li uma frase muito legal no blog Hoje Eu Vou Assim Off: foi de uma entrevista que a Ana Carolina, autora deste blog, leu numa entrevista da jornalista de moda Regina Guerreiro, se não me engano no site da uol:

 

“Ser vítima da moda é querer ser essa mulher que todo mundo quer, mas que você não é. O lance seria você ir na contramão, seria você ser você mesma”.

 

O que quero dizer é: não há mal em querer usar o que está na moda, mas é necessário entender o que fica bem em nosso corpo, biotipo e forma de ser. Podemos ter mil estilos a Renner tem todos hehehe  mas temos que aceitar o que somos, chega a ser ridículo em alguns casos!

Aqui eu vou citar 5 coisinhas que não combinam comigo e que estão super na moda. Minha opinião, galera!!

 

Top 1: Chinelo com calça

Eu já tinha falado sobre isso no outro Top 5, e continuo achando muito feio esse estilinho! Para mim só funciona voltando da manicure ou dentro de casa e olhe lá!

 

Top 2: Caveirismo

Tem muita, muuuuuita gente nessa onda de usar caveira. Você encontra caveira em tudo: pingente, blusa, bolsa, lenço, sapato, anel, tudo mesmo! Eu particularmente não gosto porque acho mórbido, me lembra morte, não adianta, e outra: não combina com todo mundo. Acho que tem que ter um estilo específico para usar: mais transado, descompromissado… já vi senhorinha comprando roupa da Le Lis Blanc com caveira, depois vi vestida, ficou muito nada a ver…

 

Top 3: Saia curta na frente e longa atrás

Estão usando saia can can muito na Europa e aqui também chegou com força total, não só em saias como em blusas também. No caso das saias, incluo no mesmo pacote da caveira, tem que ter um estilo que combine, mas mais que isso: tem que ter perna bonita, magra, sem marcas, senão fica algo nada a ver, quase uma capa de abajur ambulante.

 

Top 4: Peplum

Essa novidade está começando agora por aqui. Consiste em blusas, saias e vestidos com um babadinho, uma abinha pra fora na altura da cintura. Eu acho feio independente do corpo, mas se ainda assim você acha bacana, segue a mesma regrinha: pessoas com quadril largo não podem nem sonhar com isso!!

 

Top 5: Neon (a definir)

Agora no verão, pelo que andei vendo por aí, só vai dar neon! Várias coleções estão gastando no “lumicolor” e será inevitável fugir desta luminosidade toda. Só tô achando uma coisa estranha: há uns 2, 3 anos atrás, tinha essa modinha, mas pelo que eu lembro, era no sutiã e no scarpin (alô, Suelennnn), não era? Engraçado voltar depois desse gap de tempo, em tudo… Enfim, experimentei uma blusa rosa com bolinhas, achei que assim fosse gostar, mas que nada!! O máximo que consegui foi uma tirinha num casaco estilo quimono e nas tiras das minhas havaianas, e olhe lá! Cenas dos próximos capítulos…

 

 

Imagem

Thank God It’s FRIDAY!!!!

27 jul

20120727-072025.jpg

Bora coser? :P

22 jul

Sim, eu sou muito eclética. Cê já reparou, né? Aqui é muito assunto misturado, foi difícil pensar num tema só pra denominar o blog, mas… vamos deixar essa minha crise para a analista, ok?

A “doideira” da vez é costura! Tchanaaaaaaammm!!!

Não é muito legal alguém elogiar alguma coisa sua e você, toda prosa, responder: “você gostou? Fui eu quem fiz!”?

Então, é isso que eu quero que minhas visitas façam quando forem lá em casa e virem minhas novas almofadas!

Eu peguei essa ideia do blog da loja Maria Filó. Vamos às dicas?

 

Materiais

  •  1m de tecido – não precisa ser 1m inteiro, podem ser vários pedaços de retalho que somam 1m. Vamos usar 1/2 metro para cada Almofada.
  • Linha de costura
  • Tesoura para tecido
  • Aplique de bolinhas na cor vinho
  • Folha de Transfer
  • Alfinetes

Os materiais acima você poderá comprar em qualquer armarinho. Cada almofada mede 45cmx22cm mas, para termos espaço para a costura das laterais, a autora deixou aproximadamente 2cm de sobra de cada lado para cortar o  tecido. Depois do enchimento resolvido, use uma agulha e linha para fechar o cantinho que ficou aberto.

E pra quê o transfer?

Porque eu achei genial essa ideia!!! Pegue uma figura na internet, imprima numa folha de transfer pra tecido e aplique usando ferro de passar!

Aiii o que vou por, o que vou por??? Batendo palminhas mode on!!

Já posso casar, mãe? Mesmo já sendo casada? 😛

Enquete: Vocês iriam à um bazar de peças semi novas?

19 jul

 

Eu sei que eu tô devendo…

 

Você não sabe do que estou falando? Não, não é por estar meio sumida daqui – é, um pouco, pode ser…

 

Se você lê meu blog desde o início, talvez saiba sobre o que eu estou falando, mas se não lê, não tem problema que eu digo o que é.

 

Quando eu criei o Joinha Joinha, a ideia inicial era montar um bazar virtual, para “desapegar” de tantas peças que tenho no armário, em bom estado, mas que por algum motivo não uso mais. Foi por esse motivo a escolha do nome, pois minhas peças estão joinhas joinhas! 🙂

 

Só que meses se passaram e eu não fiz nada. Já fui cobrada, mas não adiantou. E eu quero muito fazer!

 

Então, reuni um grupo de amigas e dividi minha ideia. Elas compraram e faremos um bazar físico! 🙂

 

É isso!

 

Beijo – tchau!

 

 

Kkkkk…. brincadeirinha… é que a gente já decidiu o local, escolhemos o dia, mas ainda não organizamos nada!

 

E de quê adianta este post se você não fez nada?

 

Simples: para vocês me motivarem! Eu não sei se todo mundo sabe, mas eu tenho como saber quantas pessoas andam lendo os meus posts, com qual recorrência, e posso afirmar que nem 10% comenta… Que dó, que dó!!!

 

Então eu resolvi contar por aqui a minha ideia pra saber:

 

1)      Se a ideia é legal;

2)      Se vocês participariam!

 

São peças praticamente novas, de lojas legais, bijus zero km que minha prima e tia fazem e, claro, um momento delicinha de descontração, música e quitutes!

 

É isso aí, espero que dessa vez vocês me deem retorno, pois apesar de grande eu não mordo! 😉

 

Enquete: Vocês iriam à um bazar de peças semi novas?

 

Beijocas,

 

Carol.

Para Woody, Com Amor*

16 jul

*Antes de postar, um recado a respeito do post. Eu o escrevi desde o dia 5 de Julho, mas com a correria do dia a dia, acabei deixando de lado. Aí, nesse domingo, eu abri a Revista de domingo do O Globo e dou de cara com o que? Com a matéria da Martha Medeiros sobre Woody Allen, e lembrei que não tinha postado o meu! Como odeio desperdício, taí meu post! Espero não ser repetitiva! 🙂

—-

Acredito que com Woody Allen é sempre assim: ou você ama, ou você odeia. Parece uma máxima boba, mas não é. Sempre é assim: ou vejo as pessoas elogiando, se divertindo horrores, achando genial, ou são veemente contra suas obras. Não existe um meio termo em relação à ele. Eu sou do primeiro time, pois gosto muito do estilo dele: sarcástico, engraçado, com situações cotidianas… Ah, adoro quando ele atua nos filmes! Não esqueço dele lavando a mão sem parar, ao mesmo tempo que cantava “Happy Birthday To You” em Whatever Works (ou Tudo Pode Dar Certo), filme de 2009.  Update: Rebeca (Dra to be) disse que não era ele atuando, e sim o Larry David, co-autor de Seinfield! Também tenho sempre aquela primeira impressão de “nossa, ele viajou nessa história” e acabo achando engraçado, de tão absurdas que as situações propostas parecem ser.

Pesquisando sobre a história deste roteirista, ator e diretor (que por ser tão criativo talvez tenha mais alguns talentos que nem sei), reparei que desde 1982 ele faz filmes todos os anos, sendo em alguns mais de um filme por ano! Haja invenção e criatividade, né? Também reparei que desde 2004 assisto todos os seus filmes. Não sabia que era uma “aficcionada” por suas obras, rs!!

Clica aqui que a foto aumenta!

Clica aqui que a foto aumenta!

Algumas pessoas acham que ele está em decadência, que não tem mais o que inventar, se aproveitando do turismo local para faturar um patrocínio em seus filmes. Mas e se for isso, o que há de errado? Eu, que adoro viajar, fico encantada de poder conhecer culturas novas através de seus filmes. Foi assim na Inglaterra em Match PointVicky Cristina Barcelona, Meia Noite em Paris e, agora, em Para Roma com Amor.

 

 

Esse é um daqueles filmes com várias histórias independentes (e, neste caso, não há conexão entre uma e outra), composta por quatro núcleos: o grupo do Woody Allen, do Roberto Begnini, do Alec Baldwin e da Penélope Cruz (usei os artistas mais conhecidos para falar sobre cada um deles).

Núcleo 1: O personagem de Woody Allen é um agente de cantores de ópera, é casado com uma psiquiatra e vão até Roma porque sua filha, que havia estado na cidade a turismo, se apaixonou por um italiano, decidiram se casar e apresentar seus pais uns aos outros. E aí seu personagem descobre que o pai do seu genro é um tenor em potencial, mas apenas em situações específicas. Para mim, esta é a melhor das quatro histórias do filme!

Núcleo 2: A outra história envolve o personagem de Roberto Benigni (A Vida É Bela, lembra?), um trabalhador comum, de classe média, que do dia para noite se torna uma celebridade. Também é uma das situações bizarras e engraçadas.

Núcleo 3: Temos também o núcleo do Jesse Einsberg e Alec Baldwin (personagem esse beeeem sem gracinha, na minha opinião). Alec é um arquiteto famoso devido a sua obra com um complexo de shoppings e volta à Roma à turismo e aproveita para se recordar de uma ruela onde viveu quando jovem. Encontra o personagem do Marc Zuckerberg Jesse, que é um jovem arquiteto que mora nesta ruela (how coincidence!!) e convida o personagem de Alec até a sua casa, onde vive com a namorada, também estudante. A namorada (uma atriz que não é muito conhecida para mim, nem sei seu nome) diz que uma amiga (a Juno Ellen Page)  terminou o namoro e que irá afogar as mágoas em Roma por uns tempos, mas que ele deve tomar cuidado porque ela é apaixonante. Alec fica como uma sombra, confundindo o telespectador sobre ele ser real ou não, sempre dando conselhos amorosos à Jesse.  Historinha chaaata…

Núcleo 4: Um casal recém casado vivia no interior da Itália e decide se mudar para Roma almejando uma vida melhor. Eles se separam por um mal entendido e nesta história entra Penélope Cruz, no papel de uma prostituta. E não falo mais nada para não estragar a surpresa!

Concluindo: é uma história engraçada, mas não é um dos melhores filmes dele, o que não é de forma alguma um impeditivo para ver e se divertir.

Pra terminar, algumas frases deste alegre, confuso e polêmico artista:

“Mais do que em qualquer outra época, a humanidade está numa encruzilhada. Um caminho leva ao desespero absoluto. O outro, à total extinção. Vamos rezar para que tenhamos a sabedoria de saber escolher”.

 

“Não é que eu tenha medo de morrer. É que eu não quero estar lá na hora que isso acontecer”.

 

“Quando eu era pequeno, meus pais descobriram que eu tinha tendências masoquistas. Aí me passaram a me bater todo dia, para ver se eu parava com aquilo”.

 

“A liberdade é o oxigênio da alma. É muito difícil fazer sua cabeça e seu coração trabalharem juntos.No meu caso, eles não são nem amigos”.

 

“Noventa por cento do sucesso se baseia simplesmente em insistir.”

 

“Separei-me de minha esposa porque ela era terrivelmente infantil. Uma vez, eu estava a tomar banho na banheira, e ela afundou todos os meus barquinhos sem nenhum motivo aparente”

Oi, inverno!!

14 jul brrrrrrr

Aeeeee, o frio chegouuuuu!!!!

brrrrrrr

Cariocas não gostam de dias nublados, mas vá lá… gostam de usar as roupas que compraram na liquidação de inverno, né não, meninas? hehehe!

E lá vou eu com a minha campanha “não use casaco de couro e chinelo ao mesmo tempo”, porque o que eu vi de gente ontem com frio no braço e calor no pé não era mole não! A gente tem que saber ter coerência: tá frio? Sapato fechado! Outra: quer usar echarpe, cachecol e afins? Blusa de manga, né? Sério, usar isso com regata, ribana ou qualquer coisa sem manga é uó! Vão achar que você tá com micose nas axilas, fia!

Bom, deixando meu saraivismo de lado, vim aqui postar aquele vídeo bacanérrimo das 25 maneiras de usar uma echarpe/cachecóis/lenços. Eu seeeeei que você já conhece, que ele existe há uns 3 invernos, mas vale a pena ver de novo! Nada mais charmoso que jogar uma bela scarf naquela blusa basicona da loja americana!

Então, me dá a mão que chegou a hora da gente tirar o cheiro de mofo dos nossos lenços!!!

 

Imagem

O que é ser mãe?

9 jul

20120709-154334.jpg

O que é ser mãe?

“Ser mãe é padecer no paraíso”, isso todo mundo está careca de ouvir. Outra frase que sempre escuto é: “ser mãe é um amor incondicional”, “só sendo mãe para saber o que é gostar mais de alguém do que de si mesmo”.

Bom, eu não sei o que é ser mãe. Faço ideia, afinal tenho uma mãe e uma “irmãe” (como chamo minha irmã, 11 anos mais velha). Tenho dois afilhados gostosos e a emoção que senti quando ambos nasceram foi indescritível. O primeiro eu chorei copiosamente, e tem até um video me delatando. O outro foi “no susto”, pois chegou um mês antes, eu estava viajando e só pensava em estar no hospital com a minha amiga, mãe dele, neste momento que talvez seja o mais importante da vida de uma mulher.

E hoje mais uma grande amiga vai ter um bebê. Achávamos que seria parto natural, mas como boa futura sambista da Tradição, Ana Laura embolou tudo dentro da barriga da mãe dela e vai vir por cesariana. E imagino a festa que estará no hospital hoje, esperando a chegada da nossa pimpolha.

Ser mãe deve ser indescritível, mas posso afirmar que ser tia é muito, muito legal! É muito bom estar disponível, ver a alegria da criança quando ela te vê, como você se arrasta no chão e faz coisas que achava que nem teria condições só pra ganhar um sorriso no rosto. É ficar com o braço dormente de tanto dar colo e não querer largar o bebê!

Este post é curtinho, mas foi só pra aliviar a tensão. Estou muito ansiosa com a chegada da nossa “moicaninha” (meus amigos saberão a que me refiro). Daqui a pouquinho eu estou indo fazer barulho junto com os Souza e Melo e os Assunção!

Querida amiga Eriquinha,

Que Nossa Senhora do Bom Parto esteja presente neste momento tão importante da sua vida! Nós estaremos lá fora esperando para comemorar com vocês a chegada da princesa!

Beijocas,

Carol.

%d blogueiros gostam disto: